Discopatia ou doença degenerativa do disco

O que é a doença degenerativa do disco?

A doença degenerativa do disco pode se referir a degeneração de pelos menos um dos discosinvertebrais da coluna espinhal. Algumas pessoas podem chamar a doença de transtorno degenerativo do disco. Pode resultar em dor aguda ou crônica na coluna vertebral.

doença degenerativa do disco é uma “doença do envelhecimento”, uma doença relacionada com a idade.

Com o passar dos anos e décadas, o estresse repetitivo sobre a espinha e pequenos machucados ocasionais que não são notados, assim como os maiores, começam a cobrar suas dívidas. Para a maioria das pessoas a degeneração gradual do disco não é um problema. No entanto, em alguns casos, isso pode acabar causando dores crônicas, severas e debilitantes no disco.

Especialistas em coluna se referem a dor causada pela danificação do disco intervertebral como “dor discogênica”. Algumas pessoas podem ter a doença degenerativa do disco e nunca sentir quaisquer sintomas relacionados.

Discopatia

O que são discos invertebrais

Os discos intervertebrais, também conhecidos como fibrocartilagem intervertebral ou discos da coluna vertebral, são o preenchimento entre cada vértebra da coluna vertebral. Eles têm uma estrutura elástica, feito de um tecido de fibrocartilagem. A parte exterior do disco – anel fibroso – é resistente e fibrosa, e é composto de várias camadas sobrepostas.

O núcleo interno do disco – núcleo pulposo – é macio e gelatinoso. Os discos intervertebrais são os amortecedores de choque dos vertebrados. Eles agem como preenchimento e amortecem o estresse, quando a coluna vertebral se move ou suporta peso. Os discos da coluna vertebral também ajudam a coluna a se curvar e em seguida dobrarem de volta às suas curvas normais.

Em um jovem adulto saudável, os discos intervertebrais são cerca de 90% água. À medida que envelhecemos o teor de água desce, o preenchimento se torna menos espesso e como resultado a coluna vertebral torna-se ligeiramente mais curta. Por vezes, o disco pode inchar.

O que causa a doença degenerativa do disco

Com o envelhecimento, os discos intervertebrais degeneram (quebram), o que leva a doença degenerativa dos discos em alguns indivíduos.

As mudanças que ocorrem, devido ao envelhecimento, incluem:

  • Perda de líquido – os discos intervertebrais de um jovem adulto saudável consistem em 90% de fluido. À medida que envelhecemos o conteúdo de fluido do disco diminui, tornando-o mais fino. Isto significa que a distância entre cada vértebra torna-se menor.
  • Simplificando, a almofada ou amortecedor entre cada vértebra torna-se menos efetiva.
  • A estrutura do disco é afetada – rasgos muito pequenos ou rachaduras se desenvolvem no anel fibroso (camada externa) do disco. O material macio e gelatinoso no núcleo pulposo (parte interna do disco) pode fazer seu caminho através das fraturas ou fissuras, resultando em um abaulamento ou ruptura do disco. Às vezes, o disco pode quebrar em fragmentos.

Esta degeneração do disco ocorre mais rapidamente em indivíduos obesos, pessoas que fazem trabalho físico extenuante e fumantes regulares de tabaco. Uma lesão aguda (súbita) como pode ocorrer depois de uma queda, pode acelerar o processo de degeneração.

Quando as vértebras têm menos preenchimento entre elas toda a coluna vertebral torna-se menos estável. O corpo tenta lidar com isso através da construção de osteófitos. Osteófitos que são pequenas projeções ósseas que se desenvolvem ao longo da extremidade dos ossos.

Estas projeções podem pressionar a medula espinal ou raízes nervosas da coluna vertebral, o que compromete a função do nervo e causa dor. Existe uma condição chamada estenose do canal espinhal, que ocorre quando os osteófitos crescem para dentro do canal da coluna vertebral e pressionam a medula espinal e os nervos.

Tratamentos

  • Posições adequadas – Se ajoelhar ou reclinar – em vez de sentar é menos doloroso. Os pacientes podem ser ensinados a se posicionarem de modo que seus sintomas sejam menos graves. Vestir um colete ou cinta para ajudar a estabilizar a coluna.
  • Medicamentos – o paciente pode se beneficiar de não-esteroides anti inflamatórios (AINEs), esteroides e, por vezes, relaxantes musculares. Medicamentos anti-inflamatórios incluem o celecoxibe, ibuprofeno, naproxeno e aspirina. O acetaminofeno (paracetamol, Tylenol) é um analgésico, mas não um anti inflamatório. Outra opção comum no Brasil é o uso da dipirona (Novalgina) como analgesia simples de horário.
  • Fazer exercícios especiais para reconstruir os músculos das costas e abdomen – de acordo com a UCLA, a Universidade da Califórnia, yoga, pilates e natação são eficazes, assim como alguns outros programas de fortalecimento.
  • Fisioterapeutas e especialistas de dor podem ajudar com tratamentos mais agressivos que não necessitem de cirurgia.
  • Esteroides e um anestésico local podem ser injetados as juntas próximas ao disco ruim. Estes são chamados injeções conjuntas de faceta e podem fornecer um eficaz alívio a dor.
  • Rizotomia de Facetas – Corrente de radiofrequência que enfraquece os nervos ao redor da faceta articular, impedindo que os sinais de dor alcancem o cérebro. Isso pode ser recomendado se o paciente respondeu a faceta injeções conjuntas. Rizotomia de Faceta pode proporcionar alívio da dor que dura mais de um ano.
  • Bloqueio paraespinhoso – é uma terapia realizada pelo médico fisiatra para pacientes com lombalgia e sensibilização central. Com a aplicação de um anestésico próximo à raiz dorsal dos nervos, o médico poderá obter um alívio imediato da dor e do espasmo muscular secundário.
  • Acupuntura – a acupuntura é uma importante aliada no tratamento de dores crônicas, podendo auxiliar no alívio álgico e relaxamento muscular.

Saiba mais sobre os tratamentos >

Compartilhe a informação
Coluna-Brasília
Coluna-Brasília

Clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura em Brasília-DF, atua principalmente no tratamento da dor e afecções da coluna. Preconizamos o tratamento conservador e medidas sem cirurgia com enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolos exclusivos. Temos médicos e fisioterapeutas especialistas.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *